2º Encontro Brasileiro de Infraestrutura e Logística Florestal reuniu em Curitiba 219 profissionais altamente especializados

Desde a primeira edição do Encontro Brasileiro de Infraestrutura e Logística Florestal, realizado em 2013, o evento já havia dado sinais de sua relevância para o setor florestal. Na segunda edição, realizada nos dias 06 e 07 de outubro, em Curitiba (PR), ele se fortaleceu e se tornou o principal fórum de discussão sobre o tema. O evento trouxe para a capital paranaense 219 profissionais altamente especializados de grandes empresas do setor florestal para debater e ministrar palestras sobre temas variados ligados à infraestrutura e logística, e claro promover ampla oportunidade para networking.

Quem deu início às atividades do Encontro foi o Dr. Jorge Malinovski, diretor geral da Malinovski, organizadora do evento. Em sua fala, ressaltou a importância das empresas definirem se as estradas de uso florestal são consideras custo ou investimento. Após acolher os participantes, convidou ao palco Flávio Castelo Branco, gerente executivo de políticas econômicas da CNI, para abrir o primeiro ciclo de palestras do dia, com o tema “Cenário econômico atual: tendências e perspectivas para a logística e transporte florestal”. Traçando um panorama econômico do Brasil e do impacto deste cenário para o setor florestal, o palestrante discorreu sobre o desempenho do mercado nos últimos anos, assim como tendências para anos vindouros e as principais ações necessárias para garantir o crescimento e a prosperidade do setor.

Dando continuidade ao bloco, Mario Sant’Anna Junior, diretor da MRP3 Consultoria, abordou a gestão da inovação no campo da logística. “É importante questionarmos: neste momento em que vivemos, estamos passando por uma mudança de era ou por uma era de mudanças? Aí pode estar a diferença”, ponderou o palestrante, que abordou o histórico da inovação e sua importância para a evolução da logística e da infraestrutura no setor florestal.

Domingos Raimundo Filho, da logística da Suzano, detalhou a experiência da empresa com melhorias objetivando a redução de custos do transporte de produtos florestais, enquanto o consultor da FIEP Mario Stamm, encerrando as palestras do primeiro bloco, analisou os novos horizontes e perspectivas de investimentos em infraestrutura de transportes e logística.

O segundo ciclo de atividades, focado nos “Desafios em logística de produtos florestais”, foi aberto por Darlon Orlamünder de Souza, gerente de logística florestal da Klabin no Paraná, que discutiu sobre planejamento, previsão e otimização do transporte da madeira. Mauro Birro, coordenador de logística e infraestrutura florestal da Cenibra, falou sobre a necessidade da integração de modais para transporte de produtos florestais, dando destaque ao planejamento da infraestrutura da malha rodoviária para o setor no Brasil.

Henrique Amabilini, gerente de colheita florestal da Floresteca, descreveu as experiências da empresa com gerenciamento, armazenagem e exportação de toras em containers. O último palestrante do dia, Adriano Thiele, diretor executivo da JSL, trouxe como tema a gestão de pessoas em ambientes de risco, apresentando os principais desafios para o setor florestal neste quesito.

Segundo dia

O primeiro bloco de atividades do segundo dia do evento começou com o tema “Técnicas de Planejamento, Construção e Manutenção de Estradas” e foi aberto por Luiz Geraldo Goessler, gerente de logística florestal – operações florestais ES/BA da Fibria. O palestrante abordou os aspectos socioambientais do gerenciamento de estradas, assim como o apoio ao transporte. “As estradas não podem ser vistas como um processo apêndice do transporte. É preciso planejá-las. Se não há um bom planejamento, certamente incorre-se em vários riscos”, apontou Goessler.

Em seguida, Thiago Petine, coordenador de estradas, transporte e pátio de madeira da Veracel discorreu sobre controle de qualidade de estradas de uso florestal, enquanto o diretor florestal da Ferbasa, Sebastião da Cruz Andrade, detalhou a experiência da empresa com a readequação e otimização da malha viária florestal, através da elaboração de um plano diretor. “Um plano diretor viário é a base para a tomada de decisões estratégicas de planejamento”, explicou o palestrante.

Por fim, Fernando Augusto Júnior, diretor da Imperpav, trouxe como tema o controle de execução de serviços de estradas de terra, abordando a especificação de parâmetros técnicos para a definição da qualidade das camadas construtivas de estradas florestais, métodos de mensuração de umidade de solo no campo, e a caracterização de solos, entre outros tópicos analisados.

O último bloco do Encontro, intitulado “Interface Entre Estradas e Produção Florestal”, teve início com a palestra do diretor florestal da Eldorado Brasil, Germano Aguiar, sobre logística para transporte de insumos integrada à mecanização da silvicultura. “É preciso que sempre façamos esta pergunta: será que estou sendo 100% eficiente? E se estiver sendo apenas 90%? A logística da silvicultura é um novo assunto de logística que precisamos trabalhar”, frisou.

“É difícil medir o valor de uma estrada. É algo que só é normalmente sentido quando algo desaba, quando há algum desastre”, disse Robson Rodrigues Resende, gerente florestal da divisão madeira da Duratex em MG, que falou sobre o valor da infraestrutura na produção florestal, com ênfase nas estradas florestais. Em seguida, Benno Doetzer, diretor-presidente do Instituto de Florestas do Paraná, apresentou questionamentos centrais na mitigação de impactos ambientais para a construção de e manutenção de estradas rurais, apontando como principais fatores de risco a erosão, o carreamento de sólidos e a contaminação da água.

Fechando o bloco, Marcelo Araújo, especialista em processos de sistemas florestais da CMPC – Celulose Riograndense, destacou a importância dos sistemas integrados de logística florestal para a produtividade do setor.

Todos os blocos do evento foram encerrados com sessões de perguntas aos palestrantes, nas quais os participantes puderam obter respostas mais aprofundadas acerca dos principais assuntos de interesse.

A próxima edição do Encontro Brasileiro de Infraestrutura e Logística Florestal, segundo a Malinovski, está sendo programada e em breve será enviada para o mercado. Para mais informações: info@malinovski.com.br

 

Serviço:
2º Encontro Brasileiro de Infraestrutura e Logística Florestal
Data: 06 e 07 de outubro de 2016
Local: CIETEP – Rua Comendador Franco, 1341 – Curitiba, Paraná, Brasil
Programação: Clique aqui

Escrito por Giovana Massetto